12 de junho de 2018

Aula de sem julgação de verbos

Grande Rue/Nancy - Foto de Karla Vidal



Amanhã, quando eu te conheci 
Maldição perdeu dicção 
E o mar por um de repente 
Ficou completamente solo plangente 
E se tornou um cobertor de orvalho 
Me envolvendo 
A mim e a meus não-exércitos sem cavaleiros 

Mandei flores pra tua reencarnação passada 
Mesmo sabendo que no momento em que nos conhecermos 
Vou ser o primeiro vivo da história a ressuscitar 

Será que só sou capaz de ser poeta 
Porque um lugar entre o Sim e o Não é farol nublado 
Plantado nos meus amares revoltos, 
Iludindo sereias 
Com travo de lua eclipsada na garganta 

Minha incorrespondência 
Constantemente muda 
Não precisa de selo para ser devolvida 
Dentro dela uma foto  
Sem rosto  
Empresta luz ao bater cardíaco da esperança 
E tenta segurar uma bolha de cristal 
Com cigarras e dentes-de-leão 

Já sei que música tocará, ontem, a favor do nosso primeiro encontro 
Um canto de grilo em câmera ultralenta 
Canto de borracha que semi-apaga 
A sombra do esconderijo 
Cercado de tiros certeiros 
Que nunca nos atingirão 
Mas pintaram os murros e os medos 
Com ex-tinta  e vulcânica ameaça 

Fui tanto tempo caça que parece 
Que perdi a capacidade de ser alvo 

Isso agora será passado 
No teu colo amanhã meu sol se pôs 
E nos teus lábios ontem haverá de nascer 

De vez em quando, parasemprearemos. 

18 de maio de 2018

Bem mais ou menos que os meus trinta e poucos

Foto: Karla Vidal


Meus trinta e poucos estão chegando à puberdade 
Um sol que nasce no rastro de outro que ensaia começar a se por 

Hormônios sendo cortados por serras das russas 
Fazem meus olhos lacrimogenar 
E o corretor ortográfico insiste em transmutar outono em primavera 

Meu grande amor tem medo que eu saiba que ele chegou 
E vive se escondendo num futuro que, de tão parecer presente,  
Faz do tempo que passou um simples parágrafo 
Pronto para quebrar nas areias da boa e velha introdução 

A luz do sol fala Português 
Mas muda o temporal todo: 
Ré e fração 

Aprendo a nadar enquanto me afogo 
A faixa preta ao alcance da contramão 
Quanto mais pratico, mais capaz de ser incapaz me torno 
O topo é o princípio de um rolamento ladeira abaixo 
Porque depois dos trinta as asas dos anjos se descobrem paraquedas 
E a diferença entre céu e abismo é uma virada de olhos 

Meus gestos rudes dançam balé 
E os suaves cheiram a krav Magal 

O espelho não tem mais vergonha de ficar nu na minha frente 
Os aviões disputam vaga no meu en gard  
A passagem entre idas e vindas se estreita 
E tu, Che, és agora só mais um na lista dos meus ex 
Página capotada no meu e-grimoire 

Balzac não me representa
Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...